ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS
SÃO PAULO / SP - Endereço: Avenida Paulista, Salas 704 e 705, Bela Vista, CEP: 01311-910
Tel.: (11)3171-1265 ou (11) 3105-7132

 

 

Cadastre-se para receber nosso Newsletter diário, gratuitamente
 
Código validador:
Login senha
     
seja um associado master, clique aqui


Direito Tributário  

APET

  SP
Direito Tributário
  PE
Direito Tributário

 

Enviar Imprimir voltar

 

Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda

Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

A JBS não precisará tirar recursos do caixa para pagar imposto de renda no Brasil por um "longo período". A afirmação foi feita ontem pelo vice presidente de finanças e diretor de relações com investidores da empresa, Guilherme Cavalcanti. Em teleconferência, o executivo afirmou ao analista Alan Alanis, do banco de investimentos UBS, que a JBS pode abater o imposto de renda com a utilização de prejuízos fiscais acumulados e do ágio (expectativa de rentabilidade futura, o "goodwill") apurado nas diversas aquisições feitas pela empresa. Cavalcanti fez o comentário sobre os pagamentos futuros de tributos ao explicar o lucro líquido da JBS no primeiro trimestre. O resultado do período foi impulsionado pela adiamento do pagamento de imposto de renda. Entre janeiro e março, a JBS lucrou mais de R$ 1 bilhão. No período, o saldo de imposto de renda e contribuição social diferidos somou R$ 784 milhões, ante R$ 120 milhões no mesmo intervalo do ano passado.

De acordo com o vice-presidente de finanças da JBS, o imposto foi adiado em razão do impacto negativo da apreciação do dólar sobre o valor em reais das dívidas da empresa no Brasil. "Essa perda se torna um crédito porque podemos compensar em pagamentos futuros de imposto" , disse Cavalcanti, ressaltando que é bem mais difícil projetar a alíquota efetiva de imposto de renda a ser paga no Brasil do que nos EUA. Nos Estados Unidos, onde a JBS possui a maior parte de suas operações, a alíquota efetiva é estável, de 19%, afirmou. Aqui, a taxa efetiva ficou em 38,7% no primeiro trimestre, já descontando o impacto positivo do imposto diferido. Nos primeiros três meses do ano passado, a alíquota havia sido de 51,8%. Na prática, a carga tributária sobre o lucro líquido é maior no Brasil. Afora as questões tributárias, os executivos da JBS destacaram ontem, em teleconferências com analistas, que as perspectivas são positivas para os próximos trimestres. A demanda asiática, que já estava aquecida, deve crescer ainda mais devido ao surto de peste suína africana que atingiu o plantel da China, país responsável por 50% da produção mundial de carne suína. Na bolsa, os investidores reagiram positivamente às perspectivas e ao resultado trimestral. As ações da JBS subiram ontem 8,36%, negociadas a R$ 21,39 na B3. Foi a maior alta dentre os papéis do Ibovespa. "A peste suína vai potencializar a oportunidade que já estava no mercado" , afirmou o CEO da JBS, Gilberto Tomazoni. Nesse cenário, as exportações de carne bovina estão em franca ascensão. A partir da Austrália, as vendas do produto aos chineses cresceram 80% no primeiro trimestre, acrescentou André Nogueira, que comanda a JBS USA (unidade que reúne os negócios da JBS fora do Brasil). Os embarques de carne bovina do Canadá para o mercado chinês também aumentaram, e devem mais que dobrar entre junho e agosto, segundo o executivo da JBS USA. No Brasil, as perspectivas de demanda também são positivas. "Estamos sentido um crescimento das exportações de carne suína, em volume e preço" , afirmou Tomazoni. Os negócios de carne suína, frango e alimentos processados da JBS no Brasil ficam sob o guarda-chuva da Seara. De acordo com Tomazoni, a Seara vem se recuperando dos problemas que fizeram a margem Ebitda do negócio cair 1,7 ponto no primeiro trimestre, para 6,6%. A Seara foi prejudicada pelas restrições comerciais da Arábia Saudita e por "problemas operacionais" em duas unidades, o que custou dois pontos de margem, afirmou o CEO da JBS.

Fonte: Valor

Associação Paulista de Estudos Tributários, 15/5/2019  18:06:20