ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS
SÃO PAULO / SP - Endereço: Avenida Paulista, 509, sala 510, Bela Vista, CEP: 01311-910
Tel.: (11)3171-1265 ou (11) 3105-7132 - RECIFE / PE - Tel.: (81) 3038-7538

 

 

Cadastre-se para receber nosso Newsletter diário, gratuitamente
 
Código validador:
Login senha
     
seja um associado master, clique aqui


Direito Tributário  

APET

  SP
Direito Tributário
  PE
Direito Tributário

 

Enviar Imprimir voltar

Carf rejeita proposta que impedia aproveitamento fiscal de ágio interno

Por Gabriela Coelho

A 1ª Turma da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) rejeitou, no dia 4, proposta de súmula que pretendia proibir o aproveitamento fiscal de ágio em reestruturações societárias que envolvem empresas de um mesmo grupo econômico.

A possibilidade de extinguir o ágio da base tributável pelo Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e pela Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) em reestruturações societárias é um dos temas controversos no conselho. A sugestão era proibir a amortização quando o valor fosse gerado artificialmente, sem que as empresas envolvidas tivessem de fato registrado um gasto com a operação.

Para o tributarista Breno de Paula, a rejeição da proposta foi correta, pois as súmulas de jurisprudência existem para nortear os julgadores.

"O Judiciário e a sociedade jurídica já têm ideias e decisões maduras acerca de alguns temas, mas não é o caso do ágio interno. A possibilidade de amortizar o ágio da base tributável pelo IRPJ e pela CSLL em reestruturações societárias é uma das controvérsias tributárias mais polêmicas no âmbito do Carf, não existindo ainda ambiente estável para consolidar entendimento via verbete sumular", explicou.

O especialista em Direito Tributário Igor Mauler também concorda que a decisão é boa. "Primeiro, porque a jurisprudência não é unívoca. E depois porque há casos e casos. Em certas situações, razões regulatórias impõem esse caminho. Cada caso continua a ser um caso e sem tratamento único do que pode ser diferente."

Próximos passos
Neste mês, o Carf deve julgar se mantém ou derruba uma cobrança fiscal de aproximadamente R$ 2 bilhões contra o BTG Pactual. A exigência de IRPJ e CSLL se refere à aquisição do BTG pelo banco suíço UBS em 2006. Os conselheiros da 1ª Turma da 3ª Câmara da 1ª Seção devem debater se, na época, a operação societária gerou ágio que poderia ser aproveitado para reduzir o valor devido.

Fonte: Consultor Jurídico

Associação Paulista de Estudos Tributários, 12/9/2018  12:26:51