ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS
SÃO PAULO / SP -Rua Tabapuã, 111 cj. 21 - Edifício Trade Tower
CEP 04533-010 - Tel.: (11) 3105-6191 - RECIFE / PE - Tel.: (81) 3038-7538 0000000000000000000000

Cadastre-se para receber nosso Newsletter diário, gratuitamente
 
Código validador:
Login senha
     
seja um associado master, clique aqui


Direito Tributário  

APET

  SP
Direito Tributário
  PE
Direito Tributário

 

Enviar Imprimir voltar

TRF4 confirma imunidade tributária do Grupo Hospitalar Conceição

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou, no final de junho, que o Grupo Hospitalar Conceição, composto pelos hospitais Nossa Senhora da Conceição, Cristo Redentor e Fêmina, todos em Porto Alegre, tem imunidade às contribuições previdenciárias patronais, incluindo o SAT. A decisão também confirmou que o grupo tem o direito de usufruir do benefício fiscal de isenção das contribuições devidas a terceiros (Incra, Salário-Educação, Sebrae-Apex-ABDI, SESC e SENAC).

A União alegava que a entidade de saúde não fazia jus à imunidade por não ser entidade beneficente de assistência social, mas sociedade de economia mista. Segundo o relator do processo, desembargador federal Amaury Chaves de Athayde, “os requisitos formais para a obtenção do benefício tributário devem ser afastados pelo postulado da razoabilidade, uma vez que se trata de pessoa jurídica eminentemente beneficente e de utilidade pública”.

Athayde destacou que os hospitais integrantes do referido grupo econômico foram desapropriados em razão da utilidade pública dos serviços prestados, que são inteiramente gratuitos e vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS). “A União detém 99,99% do capital social das impetrantes, sendo que os 0,01% restantes são divididos em 6 ações, as quais são cedidas para cada um dos seis conselheiros integrantes do Conselho de Administração em caráter precário e gratuito, com a finalidade específica de garantia de gestão e pelo tempo restrito do respectivo mandato. O grupo não aufere propriamente uma renda das atividades desempenhadas, no sentido contábil ou fiscal, uma vez que presta gratuitamente a assistência à saúde pelo SUS”, concluiu.

Quanto à isenção das contribuições a terceiros, o desembargador ressaltou que, embora não se constituam em contribuições à seguridade social, a Lei 11.457/07, que dispõe sobre a administração tributária federal, criou hipótese de isenção para aqueles que recebem a imunidade das contribuições previdenciárias.


5033909-19.2012.4.04.7100/TRF

Fonte: TRF4

Associação Paulista de Estudos Tributários, 10/7/2017  13:27:33