DIREITO TRIBUTÁRIO - CURSOS - ARTIGOS - NOTÍCIAS



Direito Tributário  

Newsletters anteriores

  Veja aquil

APET

  SP
Direito Tributário
  PE
Direito Tributário

Jurisprudência

  Judicial
Direito Tributário
  Administrativo Federal
Direito Tributário
  Administrativo Estadual
Direito Tributário
  Administrativo Municipal
Direito Tributário

Legislação

  Federal
Direito Tributário
  Estadual
Direito Tributário
  Municipal
Direito Tributário
  Pesquisar
Direito Tributário

Projeto de Lei

  Federal
Direito Tributário
  Estadual
Direito Tributário
  Municipal
Direito Tributário

Consultas Tributárias

  Soluções de Consultas
Direito Tributário
  Respostas a Consultas
Direito Tributário
  Municipal
Direito Tributário

Roteiros Fiscais

  Federal
Direito Tributário
  Estadual
Direito Tributário
  Municipal
Direito Tributário
  Pesquisar

Comentários a Jurisprudência

  Federal
Direito Tributário
  Estadual
Direito Tributário
  Municipal
 
Direito Tributário

MP 627

BR Concursos Públicos

Enviar Imprimir voltar

STJ livra executivos de ações tributárias

Uma nova decisão da Justiça trouxe maior segurança para a defesa de sócios e executivos de empresas que tiveram bens penhorados ou respondem a ações por dívidas fiscais das empresas que representam. O Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao analisar um recurso repetitivo referente ao pagamento de débitos previdenciários, entendeu que, para ser considerado devedor solidário de débito tributário da companhia, deve ser comprovado que o sócio ou administrador agiu com excesso de poderes ou contra a lei - como estabelece o artigo 135 do Código Tributário Nacional (CTN). O caso analisado pela 1ª Seção da Corte refere-se a uma previsão da Lei nº 8.620, de 1993 - que determina a responsabilidade pessoal de sócios, gerentes e administradores por dívidas previdenciárias da pessoa jurídica. Apesar de o artigo 13 da norma ter sido revogado em 2009 pela Lei nº 11.941, de ter sido considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no fim do ano passado e do próprio STJ já decidir nesse sentido, o julgamento é importante porque serve de parâmetro para magistrados da primeira e segunda instância. Como o tema foi analisado sob o rito dos recursos repetitivos, essa é a orientação que deve ser seguida pelas instâncias inferiores. Segundo tributaristas, o efeito prático desse julgamento é imenso. O advogado Júlio de Oliveira, sócio do Machado Associados, afirma que, ainda que as autoridades fiscais continuem a colocar o nome dos sócios nas ações fiscais sem qualquer investigação, a defesa para excluí-los da ação de cobrança ficará mais tranquila. Não será necessário ficar argumentando com o magistrado. Bastará apontar a existência desse recurso repetitivo, afirma. O advogado Igor Mauler Santiago, do escritório Sacha Calmon, Misabel Derzi, Consultores e Advogados, afirma que, apesar de a decisão ter como foco a lei que estabelecia a responsabilidade direta dos sócios pelo pagamento de débitos previdenciários de empresas limitadas, os argumentos apresentados pelo STJ valeriam para todas as outras situações em que representantes das companhias são chamados a responder por esses débitos. Os fundamentos valem para todas as outras situações de inadimplemento, afirma. Na decisão, o STJ considerou a própria jurisprudência da Corte sobre o tema, ou seja, a necessidade de cumprimento do artigo 135 do CTN (excesso de poderes e infração de lei), mas também o julgamento do ano passado do Supremo sobre a norma. O STF entendeu no ano passado, ao também analisar a Lei nº 8.620, que a responsabilidade pelo tributo não pode ser de qualquer pessoa, exigindo-se relação com o fato gerador ou com o contribuinte. A relatora do processo na Corte, ministra Ellen Gracie, entendeu que o responsável pela contribuição tributária não pode ser qualquer pessoa. Segundo ela, o simples atraso no pagamento dos tributos não seria capaz de fazer com que os gerentes, diretores ou representantes respondessem com o seu próprio patrimônio. A responsabilidade pessoal só poderá ocorrer se ficar comprovado que houve dolo para o não pagamento, diz Oliveira. Segundo ele, atualmente os contribuintes enfrentam mais problemas com alguns Estados do que com a União. O advogado cita como exemplo uma empresa de perfumaria e cosméticos em que dois executivos tiveram contas bloqueadas e um carro penhorado por débitos estaduais que ainda estavam sendo discutidos na esfera administrativa. Para evitar problemas para sócios de uma varejista cliente do escritório, o advogado entrou com ações cautelares para que eles não fossem considerados devedores solidários, até que o mérito do processo seja julgado. Tudo isso gera muita dor de cabeça para os executivos, afirma.

Fonte: Do Jornal do Commercio

Associação Paulista de Estudos Tributários, 11/1/2011  11:31:24